SEDESP - SINDICATO DOS EMPREGADORES DOMÉSTICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
 
 
 
HOME
 
INSTITUCIONAL
 
NOTÍCIAS
 
DÚVIDAS
 
JURÍDICO
 
ASSOCIADOS
 
CONTATO
     
 
SEDESP - SINDICATO DOS EMPREGADORES DOMÉSTICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
Notícias e Novidades
 
Editais
 
Informativos
 

NOTÍCIAS E NOVIDADES

Not�cia - 17/10/2017 Os riscos de quem paga o empregado doméstico “por fora” do registro em carteira 17/10/2017 Os riscos de quem paga o empregado doméstico “por fora” do registro em carteira

Os riscos de quem paga o empregado doméstico “por fora” do registro em carteira


Empregador de Mato Grosso é condenado por sonegação dos direitos trabalhistas e tributários


Atualmente, no emprego doméstico, acontecem determinadas situações. Uma delas é quando o empregador paga parte do salário do empregado por fora do que está assinado em carteira, também conhecido como salário “in natura”, de acordo com a CLT 458. Mas o empregador precisa ficar atento para não sofrer uma ação trabalhista com esta atitude.


Ao optarem por registrar na carteira de trabalho do trabalhador o valor do piso da categoria, os empregadores esperam recolher o valor mínimo possível referente aos encargos trabalhistas e tributários, dando um valor a mais a empregada quando realiza o pagamento.


Mas, após o trabalhador se desligar do emprego, ele tem até dois anos para requerer seus direitos na justiça e, caso ele ganhe, o empregador precisará pagar a diferença dos últimos 5 anos de direitos do trabalhador relativos ao 13º salário, férias, INSS, FGTS, IR (se tiver) e média de férias, média do 13º salário, média do aviso prévio e adicional noturno.


Empregador é condenado por sonegação dos direitos trabalhistas e tributários


Com o entendimento que o pagamento por fora implica em sonegação aos direitos trabalhistas e tributários do empregado, a 2º Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso deu causa ganha a um empregado que recebia por fora do que estava registrado na carteira de trabalho.

No processo ficou provado que o empregado recebia todos os meses 400 reais a mais do que era declarado. O valor será integrado ao salário para os cálculos de férias com 1/3, 13º salário, horas extras, descanso semanal remunerado, aviso prévio, FGTS e INSS.


Prejuízo para trabalhadores e empregadores


O prejuízo para o empregado e empregador é alto. O empregador poder ficar suscetível a uma ação trabalhista e o trabalhador perde parte de seus direitos. O valor do FGTS acaba sendo pago a menos, assim como a multa de 40% no caso de demissão sem justa causa do empregado.


O empregado que precisar se afastar por doença ou licença maternidade, o INSS vai considerar apenas o salário registrado na carteira na hora de efetuar o pagamento. Além de acarretar ao trabalhador uma aposentadoria com o valor reduzido.


Também haverá problemas na hora da rescisão, todas as verbas a serem recebidas serão calculadas com base somente no salário oficial, isto inclui férias, 13º salário, saldo de salário, FTGS e multa, aviso prévio, 13º do aviso prévio e férias do aviso prévio.


Diante de tudo, caso o empregador seja acionado na justiça, o juiz ainda pode instituir uma indenização por danos morais, considerando que o empregado foi prejudicado quanto a seus direitos previdenciários.


Mantenha seu empregado legalizado conforme a lei, e evite ações trabalhistas.

Fonte: Doméstica Legal


 
SEDESP - SINDICATO DOS EMPREGADORES DOMÉSTICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
Atendimento: (11) 3151-2587 / 3064-7343
WhatsApp: (11) 97383-8377
(Não atendemos chamadas, apenas Whatsapp)
 
INSTITUCIONAL   DÚVIDAS ASSOCIADOS
ENDEREÇO:
Palavra do Presidente   Perguntas Frequentes Porque se Associar?
Rua da Consolação, 222
17º and - Sala 1703
São Paulo / SP - CEP 01302-000

WhatsApp:
(11) 97383-8377
(Não atendemos chamadas, apenas Whatsapp)

Histórico

 

Downloads

Benefícios

Certidão Sindical

   

Associe-se

Categorias

  Jurídico Notícias

Missão

  Serviços Notícias e Novidades

Base Territorial

 

Atendimento

Editais

Data Base

 

Convenções e Acordos

Informativos

       
Acessos: 4499